Rebecca K.Engmann

8 de Julho de 2001 Os correios da Dinamarca estão a considerar parar as vendas de postais com temas de graffitis na cidade de Christiania, em sequência de uma queixa apresentada pelo presidente da Câmara. Ele acredita que estes postais travam a luta contra o graffiti. Os correios de Copenhaga estão neste momento a vender postais relativos ao graffiti em Christiania, e o Presidente da Câmara desta cidade, Soren Pind, desaprova fortemente estes postais. Como director do concelho de campanha Stop Graffiti, Pind acredita que os postais dão uma mensagem desagradável aos turistas e a outros que frequentam os postos de correios para comprar postais com cenas bonitas da capital, Copenhaga. De acordo com Pind os postais também danificam a imagem e reputação de Copenhaga como sendo a cidade com mais sucesso na sua luta contra o graffiti em toda a Escandinávia. “Copenhaga é uma cidade contra o graffiti, e usa de muitos meios nesta luta. Como pedido pelas autoridades, removemos até o graffiti legal para evitar enviar mensagens erradas.

Por isso é um paradoxo que os Correios da Dinamarca publicitem algo que nos custou muito a combater. “, diz Pind. Esta reacção aparece apenas a poucas semanas depois da DSB resolver remover um largo número de graffitis publicitários à Coca-Cola aprovados para as suas estações. Desde que a Campanha Stop Graffiti teve início acerca de 2 anos em Copenhaga, o número de grafistas foi reduzido para metade. Em Christianshavn – onde os grafistas foram fotografados- o graffiti foi reduzido para 80%. “Durante muitos anos, as pessoas não levaram a sério este problema. Os graffitis eram vistos erreverados como arte.

Agora sabemos que o graffiti em todo o mundo é controlado por criminosos, e sabemos também que as pessoas mais novas que são atraídas para estas actividades habitualmente acabam num mau caminho” escreve Pind numa carta ao director dos Correios da Dinamarca, Helge Israelsen e a Svanen Publishers, empresa que produziu os postais. Helge Israelsen afirma que os Correios da Dinamarca certamente não irão comprar mais impressões destes postais, mas não podemos prometer que o stock existente será retirado dos postos de correio. “…compreendo a preocupação do Presidente da Câmara, e temos o mesmo entendimento acerca dos grafistas”, diz Helge Israelsen.